Meu bem, meu zen, meu pai

Pai e Filha

Chegou a Caxambu aos dezesseis anos, vindo do Rio de Janeiro, todo aprumado em seus ternos de linho branco (ocupavam um armário inteiro) e logo, conquistou o coração da mineira.

“Trago comigo as lembranças do eu era” e, na infância, a filhinha do papai.

Diante de minha meninice existia aquela figura imponente e severa que ao mesmo tempo suavizava quando me deparava com um olhar delicado em seus grandes olhos verdes. Contraste impressionante na pujança de seu temperamento germânico. Usava o cabelo impecavelmente penteado para trás emplastado com brilhantina e um bigode, por vezes fino, outras, mais grosso, dependia da habilidade do barbeiro.

Trago na memória as lembranças de suas ausências mais prolongadas. Não existia brinquedo no mundo que conseguisse atenuar minha tristeza.

Possuidor de mãos privilegiadas, estudioso das regras fisioanatômicas, caridoso, prestativo, gentil e educado.

Quando abusava da hora de chegar a casa, fazia valer seu lado romântico, e lá ia com os amigos cantarem à janela de minha mãe. Não raro estar acompanhado de: Gabriel da farmácia, Miguel Abraão, dentista, Zizi Gallo, João Machado.  Não paravam a cantoria até serem convidados a entrar, e lógico, com a saideira.

Quando a infância adormeceu acordei adulta. Fiquei mais atenta aos acontecimentos que regem a vida de cada um de nós. Deparei-me com aquelas verdades conflitantes que vez em quando insistem em se exibir.

E, foi aqui, que desnudei as vestes de super-herói daquele homem, que dizia que ninguém no mundo era mais importante que a família, e o transformei em amigo.

Amigo adubado e crescido em base de respeito, deferência e admiração.

Pai amigo, pronto para abraçar minhas angústias e respeitar minhas escolhas, mesmo sabendo que não seriam as melhores.

A dedicação e o carinho desse pai amigo eram tão infinitos que fazia meu coração pulsar com mais força dentro do peito.

Hoje, eu o trago na memória, já que “o tempo é como encantamento, a gente nunca tem o tanto que imagina”.

Posted by: Denise Lahmann Tags: Posted date:11 de agosto de 2013 | Sem comentários

Sobre o autor

Denise Lahmann
Denise Lahmann

Denise Lahmann, casada com André Marinho e mãe da Lara. Cidadã Caxambuense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Agenda

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« jun    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031